Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Tiago Bettencourt escreveu a seguinte mensagem no seu dispensável Twitter:

«Passei há pouco na fnac. O NOSSO ÁLBUM ESTÁ A 6.99 EURO!! Acho que é de aproveitar não? Vá lá meus amigos, não me pirateiem que me matam...»

Poderia lamentar a opção errada pelo singular em relação à moeda, ou a carência de vírgula depois do verbo «aproveitar» mas irei poupar Tiago relativamente às suas já conhecidas debilidades linguistas, outrora devidamente ressaltadas. Contudo, não poderei deixar passar o lamentável incentivo às cópias ilegais que o artista exalta nesta sua mensagem. Se de facto o acto de piratear o novo disco provoca o falecimento de Tiago Bettencourt é evidente que todas as pessoas com uma fasquia mínima de qualidade musical irão adoptar em massa esse procedimento homicida.

Autoria e outros dados (tags, etc)

escarnecido às 01:14

Desprezo desconhecidos. São seres irrelevantes pelos quais não nutro especial predisposição para interagir. O desprezo evolui para aversão quando sou obrigado, por diversas circunstâncias, a forçar diálogo com um estranho durante mais de cinco minutos. É demasiado árduo ter de simular reacções para cada frase que ouço, só para fazer o desconhecido acreditar que estou de facto interessado nas superfluidades por ele proferidas. Caro indivíduo não identificado, por favor abdique de principiar conversações dentro do meu perímetro de audição. Obrigado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

escarnecido às 00:41

Durante uma conversa é frequente trocarem o meu nome por outro qualquer, o que reflecte a importância que a minha existência humana representa para essas pessoas. Este tipo de lapso obriga-me a interromper a conversação para lançar uma chamada de atenção relativamente à minha denominação verdadeira. Na verdade isso não me incomoda, apesar de ser uma profunda falta de consideração para comigo e para com o trabalho do notário que outrora procedeu ao registo. Incomoda-me sim que, depois de chamadas à razão, as pessoas passem a repetir o meu nome verdadeiro a cada par de palavras, como se de vírgulas se tratasse, tentando falsamente disfarçar o buraco infinito inicialmente aberto. Caros praticantes de tal procedimento, avisa-se que a referida conduta revela-se contraproducente por ser tardiamente aplicada. Obrigado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

escarnecido às 00:05




Pesquisar

  Pesquisar no Blog